aplicações

para que patologias está indicado?


São diversas as patologias que, por estarem associadas a alterações da função motora e ao consequente enfraquecimento muscular, condicionam a capacidade de comunicação, restringindo a expressão de desejos, pensamentos ou até das

necessidades mais básicas. De seguida, são descritas algumas patologias que beneficiam de tecnologias de apoio à comunicação que utilizam interface por eye tracking.

Esclerose Lateral Amiotrófica

A Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) é uma doença degenerativa do sistema nervoso central, progressiva e incapacitante, caraterizada pela lesão dos neurónios motores do córtex, tronco cerebral e medula espinhal.

Clinicamente, a doença evolui causando debilidade e atrofia progressiva da

musculatura respiratória e dos membros, espasticidade, distúrbios do sono, stress psicossocial e sintomas de origem bulbar como a dificuldade de falar e deglutir.

O início dos sintomas ocorre maioritariamente entre os 55 e os 65 anos. Apenas 10% dos casos surge antes dos 40 anos de idade.

Distrofia Muscular

As distrofias musculares compreendem um grupo de doenças caraterizadas pela degeneração progressiva da musculatura estriada, sendo a Distrofia Muscular de Duchenne (DMD) a mais frequente.

Clinicamente, a DMD carateriza-se pela perda progressiva da força muscular, maioritariamente nos músculos proximais dos membros e nos músculos flexores do pescoço.

As manifestações clínicas da DMD estão presentes desde o nascimento mas tornam-se mais evidentes entre os 3 e 5 anos.

A DMD afeta sobretudo o género masculino com incidência estimada de 1 em cada 3300 meninos.

Paralisia Cerebral

A Paralisia Cerebral (PC) é definida como uma perturbação do movimento ou da postura decorrente de uma lesão cerebral não progressiva, ocorrida durante o período de desenvolvimento cerebral.

A PC manifesta-se especialmente pela paralisia, descoordenação motora e pela existência de movimentos involuntários, sintomas frequentemente associados a alterações cognitivas e da linguagem, défice sensorial e da perceção, bem como alterações comportamentais.

Traumatismo Vertebro-Medular

O Traumatismo Vertebro-Medular (TVM) refere-se a uma lesão na coluna vertebral que afeta a medula, geralmente após um acidente de viação, uma queda ou um mergulho.

De forma súbita, instala-se uma paralisia mais ou menos extensa dos músculos voluntários que pode levar a uma mobilidade reduzida ou ausente nos membros

inferiores (paraplegia) ou nos quatro membros (tetraplegia).

O TVM pode comprometer os sistemas sensitivo, respiratório, cardiovascular, gastrointestinal, génito-urinário e tegumentar (pele, pelos, unhas e glândulas).

Traumatismo Crânio-encefálico

O Traumatismo Crânio-encefálico (TCE) constitui uma lesão cerebral resultante de um trauma externo, provocando alterações cerebrais momentâneas ou permanentes, de natureza física ou cognitiva.

Geralmente, o TCE tem origem em acidentes de viação, no entanto, pode resultar de agressões físicas, quedas, lesões provocadas por arma de fogo, arma branca, entre outras.

Possui como sinal dominante a alteração do nível de consciência, sendo a mais frequente causa de morte e de sequelas em pacientes politraumatizados.

O TCE pode envolver danos no couro cabeludo, caixa craniana, encéfalo (porção superior da medula espinhal, bolbo raquidiano, tronco cerebral, cérebro, cerebelo) e meninges.

Síndrome de Rett

O Síndrome de Rett (SR) é uma perturbação neurológica de origem genética que afeta quase exclusivamente o género feminino.

Os aspetos clínicos mais significativos dizem respeito ao atraso psicomotor, movimentos estereotipados, alterações da marcha e comportamentos de caráter autista.

Síndrome do Encarceramento

O Síndrome do Encarceramento (SE) é uma condição neurológica caraterizada pela impossibilidade total de falar ou executar movimentos, com preservação da consciência e das competências de comunicação.

O SI é causado por lesões nas regiões inferiores do encéfalo não afetando a sua porção superior.